Pintor faz protesto pregando os próprios testículos no chão

Matéria publicada em: 10/11/2013 às 20:55

pintor-300x250eO pintor russo Pyotr Pavlenski foi internado neste domingo depois de ter pregado os próprios testículos com uso de um martelo na Praça Vermelha de Moscou, uma ação artística que ele chamou de “Fixação” e que protestava contra as políticas do Kremlin, coincidindo com o Dia da Polícia. Completamente nu e com os testículos pregados nos paralelepípedos da praça, Pavlenski ficou imóvel durante mais de uma hora olhando o ferimento, uma ação que, segundo ele, representava a “metáfora da apatia, a indiferença política e o fatalismo da sociedade russa atual”.

“Não é a arbitrariedade dos cargos públicos que priva a sociedade de sua capacidade de agir, mas sua fixação em derrotas e perdas que nos prega com cada vez mais força aos paralelepípedos do Kremlin, convertendo as pessoas em estátuas que aguardam, resignadas, seu destino”, explicava o manifesto assinado pelo pintor.

No entanto, após uma hora e meia do inicio de seu protesto, o artista foi levado a um hospital da capital russa, embora uma fonte das forças de segurança tenha adiantado à agência RIA Novosti que ele será detido após receber tratamento.

Na ocasião, o policial qualificou a ação do pintor como algo “normal para um doente psíquico”. Pavlenski, por sua vez, acredita que “a sociedade, agora que o poder transformou o país em uma grande prisão, permite a arbitrariedade e, esquecendo sua superioridade numérica, assiste com sua inação o triunfo de um Estado policial na Rússia”.

Em junho de 2012, Pavlenski também costurou sua boca em uma ação de apoio ao grupo punk Pussy Riot, cujo duas integrantes ainda estão presas por cantar contra Putin no principal templo da Igreja Ortodoxa.

Essa não é a primeira vez que o artista de São Petersburgo, a segunda cidade da Rússia, se agride como forma de protesto contra o governo do presidente russo, Vladimir Putin. No último dia 3 de maio, ele se enrolou em arames farpados em frente ao edifício da Assembleia Legislativa de São Petersburgo, uma ação que foi chamada de “Corpo” e que, segundo ele, simbolizava “a existência humana em um ambiente de repressão legal, quando um mínimo movimento provoca uma duríssima reação do sistema legislativo, a qual é cravada no corpo do indivíduo”.

 Fonte: Com informações do Terra Brasil

Comentar no Facebook

Deixe seu comentário

José de Freitas Agora | Copyright © 2010-2012 | Todos os direitos reservados
  • Política de privacidade
  • Contato
  • by Paulo Kampus